QUEM ACHA O REINO DOS CÉUS DEVE DEIXAR TUDO PARA ENTRAR NELE.

Se pudéssemos resumir a Boa Nova de Evangelho, poderíamos fazê-lo nestas duas parábolas:

” O Reino dos Céus é semelhante a um tesouro escondido no campo; um homem o acha e torna a escondê-lo e, na sua alegria, vai, vende tudo o que possui e compra aquele campo.

O Reino dos Céus é ainda semelhante a um negociante que anda em busca de pérolas finas. Ao achar uma pérola de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra ” (Mt 13, 44-46).

Jesus fala daquilo que é o centro da vida cristã.

A essência da parábola é que não se vende tudo para encontrá-lo, mas porque foi encontrado. Enquanto não se encontra, não é preciso renunciar a nada. Sómente um insensato deixa algo em troca de nada. Aquele homem foi e vendeu tudo o que possuía para realizar o melhor negócio da sua vida, aproveitando uma oportunidade ímpar, única, que provávelmente nunca mais lhe surgiria. Observe que os verbos ” vai, vende e compra ” estão em tempo presente, significando com isto que estamos diante de um fato atual, que acontece no hoje da nossa história. O que sucedeu a esses homens pode ocorrer também conosco.

Hoje encontramos pessoas boas, homens e mulheres de fé, batizados, mas que ao longo do tempo, mesmo vivendo na igreja, vão experimentando o cansaço, o desânimo, a tristeza e a preguiça.

Teve o seu momento do encontro pessoal com Cristo, alegrou-se e por isso converteu-se, mas sem que se desse conta, começou a viver uma apatia espiritual, o que não raro, também acontece na vida matrimonial.

Por falta de diálogo, seja com Deus na oração, ou na escuta atenta de sua palavra, ou ainda numa vida sacramental, ou com seu cônjuge numa conversa sincera, o fato é que não se dão conta do que está acontecendo, onde foi que erraram, por onde a tristeza do mundo entrou.

Vemos aí um grande contraste com o gesto do homem da parábola que Jesus contou. Jesus nos garante que o Reino dos Céus, isto é, nossa vida em Deus, é semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprá-lo.

Ele vai logo, não fica esperando, perdendo tempo, toma uma decisão que mudará sua vida. Movido pela alegria que o tesouro lhe dá, fez o que fez. A alegria é fruto do encontro, que brota no íntimo de seu ser.

Um verdadeiro tesouro não tem preço, produz tal alegria que se pode renunciar a tudo. Vale a pena correr qualquer risco. Não se merece, nem se adquire. É puro dom de Deus. Gratuito. É dádiva. Não depende de nossas boas obras. Tudo é graça de Deus pode vir ao seu encontro num momento em que você nem imagina. Não vacile.

Independente se você o está buscando ou não. É uma enorme oportunidade, não deixe de aproveitá-la. Aquele homem sabia o valor do tesouro que ele viu. Soube valorizá-lo.

Não se trata de um roubo, pois, se por acaso tivesse sido o dono do campo quem escondera o tesouro, jamais o venderia.
O que nós precisamos é ver com o olhar da fé. Vermos o amor com que Deus nos ama, e aí, lançar fora todo o temor.
Preparou-nos um banquete que pela fé podemos visualizar. Porque mendigar migalhas! São tantas coisas maravilhosas.

Ele veio ao nosso encontro, por amor Ele veio , para nos resgatar, para nos salvar. Como não nos alegrarmos, como não correspondermos a este amor. E, se desse amor nos esquecermos, aí está a razão da nossa tristeza, do nosso desânimo. Esquecemos do tesouro, e levamos uma vida medíocre. Mendigando migalhas.
Deus jamais se esquece de nós.

QUEM ACHA O REINO DOS CÉUS DEVE DEIXAR TUDO PARA ENTRAR NELE.

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba conteúdo exclusivo

Sua inscrição foi recebida

Precisa de ajuda?